"Formatar" o Arch Linux sem formatar: remover tudo e só deixar os pacotes ultra-essenciais

Se você não está sentindo mais confiança no seu Arch, seja por mau uso (fez besteira em arquivos críticos), troca de placa de vídeo e/ou mudança de hardwares gerais, tem receio de ficar algum resquício de configuraçãozinha que atrapalhe a performance do sistema, quer manter configurações estruturais (como dm-crypt/LUKS) e acha que uma boa saída seria formatar mas tem preguiça? Essa é a postagem pra você.


Vamos utilizar o magnífico recurso de remover tudo (exceto os pacotes essenciais) [1] pra deixar o sistema com a cara de recém formatado e tomar alguns devidos cuidados.

Curiosidade: o til ~ representa o /home/seu-usuário, conforme visto ao digitar no terminal: echo ~

É importante salientar que o pacman, em hipótese alguma, nem com um # pacman -Rsunc nome-do-pacote, não mexe nos arquivos de configuração do usuário, ou seja: você instala e executa um software, se ele cria arquivos de configurações e cache nas pastas ~/.config/ e ~/.config/cache/ mesmo ao desinstalá-lo fica um monte de lixo na pasta do usuário, assim, para tornarmos a reinstalação limpa mesmo, podemos criar simplesmente um novo usuário para utilizar nesse "novo" sistema.

Contudo, prefiro a opção de renomear o usuário (e seus sistemas de diretórios) [2] para depois criar um outro com o mesmo nome. Assim, salvamos todos os arquivos de configuração para futuras consultas (caso haja necessidade), e, se tudo ocorrer bem após alguns dias poderemos excluir tudo sem dor na consciência por ter perdido alguma configuração importante ou trabalhosa.

ATENÇÃO: faça um backup de seus dados importantes e arquivos de configuração do sistema por garantia. Esse blog não se responsabiliza por qualquer dado perdido por qualquer que seja o motivo.

Então, logado como root num tty qualquer, vamo que vamo:

Para alterar o diretório home do usuário:

# usermod -d /home/manfilho_old -m manfilho

Para alterar o nome de login de um usuário:

# usermod -l manfilho_old manfilho

Se deu erro: verifique se você está na acessando o diretório em questão ou logado em alguma sessão com o usuário, talvez você esqueceu de encerrar alguma sessão existente com o usuário ou não leu a documentação linkada acima [2], lembre-se: sempre leia a documentação e não saia simplesmente colando comandos no seu terminal, ainda mais como root

Adicionando o usuário que terá uma pasta limpa, leve e solta:

# useradd -m -g users -G wheel,games,power,optical,storage,scanner,lp,audio,video -s /bin/bash manfilho

Agora vamos começar a limpa do sistema [1] com:

pacman -D --asdeps $(pacman -Qqe)

Depois: 

pacman -D --asexplicit base linux linux-firmware <opicional: man-db grub vim ...>

E pra excluir a zorra toda, seguindo [3]:

pacman -Rsunc $(pacman -Qtdq)

Aí começa a magia 💕. Perceba que só os arquivos de configuração que estão relacionados com pacotes excluídos e suas dependências vão pro saco. Ah sim, Como boa prática, vamos excluir todos os arquivos de log da instalação antiga:

# rm -rf /var/log/*

Pronto, pode começar a instalação do seu sistema novo quase como se estivesse acabado de dar um arch-chroot ;) Antes de dar um reboot pra conferir se está tudo intacto, lembre-se de instalar o seu gerenciador de boot, por como exemplo, o grub; e algum cliente DHCP e/ou gerenciador de rede também (esqueci e fiquei ilhado HAHAHAHA).

Enjoy it!

-- Atualização --

Mesmo após todo o processo, um monte de pacote lixo continou instalado porque estavam classificados e sendo listado como "nativos" (pacman -Qn), assim, na cara e na coragem, indo contra a documentação, botei pra excluir a zorra toda (mesmo), assim:

# pacman -D --asdeps $(pacman -Qqn)

# pacman -D --asexplicit base linux linux-firmware dhcpcd man-db grub mlocate vim

 para desinstalar repeti: 

# pacman -Rsunc $(pacman -Qtdq)

Após isso ainda verifiquei todos os pacotes que estavam instalados e finalmente estava coerente com a instalação básica / padrão. Agora sim, enjoy it²!

Nenhum comentário:

Postar um comentário