É possível comer ração, ops, fibra?

Certa vez comprei o cereal All-Bran (esse da foto), e, julgando o livro pela capa, meu imaginário associou que o produto que além de ser riquíssimo em fibras era delicioso! A parte da fibra era verdade, entretanto, o gosto era uma catástrofe (pra não escrever desgraça).

Resultado de imagem para all bran cereal

Parecia ração de cachorro, quase vomitei. Tentei usar no suco, na vitamina, com leite em pó, na soda caustica mas o bendito parecia ter pacto com a Nossa Senhora da Bosta Mole e Fedida: contaminava tudo o que tocava. Guardei o maldito na armário esperando que, como vinho, um dia, se tornasse melhor.

Até que um dia, tia Teka (mãe de uma amiga-irmã) visitou-me, viu o bendito no armário, e, ao ser desafiada, comeu. Teka é um desses espíritos especiais, que tem uma alimentação tão, mas tão, mas tão saudável que chega a dar inveja #sqn

Ela comia aquilo como quem come Pringles, Doritos ou o que tiver no seu imaginário de salgadinho gostoso. Fiquei impressionado, como ela conseguia comer aquilo, sem fazer careta e até saboreando? Se ela consegue, por que não posso eu, conseguir?

Então resolvi mergulhar numa experiência louca: uma vez que são a base da culinária ao meu redor, cortei absolutamente o sal e o açúcar. Essa escolha não tinha nada a ver com saúde, era só, basicamente, para criar uma espécie de experimentação no meu paladar.

O começo foi horrível: comer macarrão, arroz, feijão, cadáver carne, salada, sem salgar foi insano. Beber suco, café e chá, sem adoçar: mais ainda. Passada algumas semanas, surgiram as principais descobertas:

  1. O café, quando bem feito, não deve ser estragado adicionando açúcar.
  2. O feijão fica gostoso só com alho, salsa e cebola.
  3. O arroz é doce.
Fiquei impressionado ao descobrir que o sabor original do arroz é doce. Como assim? passei a vida inteira colocando sal no bagulho, achando que só assim para extrair algum sabor daquele grão branquelo aparentemente insípido.

Diferente da experiência com o polenguinho, desta vez o paladar virou refém do hábito e da média gustativa do que era ingerido. Depois de muito tempo, resolvi comer o bendito do All-Bran, então, tive que concordar com tia Teka: o danado além de comestível se tornou gostoso! (não melhor que vinho, mas beleza)

Ou seja: tudo na vida é questão de hábito e referencial.

PS: depois de um tempo voltei para o ciclo viciante do sal e açúcar, não da mesma forma e até desiludido de que o prazer do sabor está nos dois vilões da alimentação ocidental.

Links interessantes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário