Duelo perdido?

Defronte ao monstro, pensei: "E então..."
Segundos fizeram enxergá-lo melhor
Olhando o terreno, dá até pra fugir!
Pensando melhor... prefiro encarar.
O duelo começa! Avanço alguns passos
Encaixo o escudo... é firme o bastante...
Seguro em um golpe, seguro em dois!
No terceiro, esquivo... poeira se faz
— Maldita poeira, preciso enxergar!
Escuto os seus passos, não foi desta vez!
Concentro no golpe... e lanço ao ar!
Tentando tentado... maldita avidez!
E então, a fadiga... minha guarda se abriu...
O corte foi fundo!
Que dor!
Morbidez!
"— Acabada a sessão"... o tempo desfez.
Aflito, confuso ... "— Até uma outra vez".

Eu deixo o divã, chorando por dentro,
pois não houve tempo de por para fora.
O monstro, então, morrerá afogado,
com prantos que não saíram, no agora.

Um comentário: