O papel da mulher no desenvolvimento da humanidade.

Um grande amigo estava desabafando sobre sua namorada, ele não compreendia o ciclo de insatisfação do sexo feminino. Então, repliquei o que aprendi num ótimo livro: “A mulher sente nostalgia de algo que nunca viveu, não existe receita para fazê-la feliz.”



Dentro dessa concepção, fiz alguns testes, e verifiquei que muitas assumem existir um fundo de verdade nessa proposição. Calma, não estou julgando... aliás, isso é muito bom pra evolução da espécie :)

Um dos gênios da atualidade, o verdadeiro Patch Adams (que difere muito daquele do filme), estava dando sugestões de como resolver o problema da falta de amor na humanidade, numa entrevista pra TVE, e disse:

Algo simples seria entregar todos os cargos de poder às mulheres. Deixar tudo sob a responsabilidade delas.
Nos 2 mil orfanatos onde estive não havia sequer um homem trabalhando. Campos de refugiados por todo lado. Quem trabalha? As mulheres, os homens estão tomando chá. Eles são bons? É difícil saber.
Mas as mulheres trabalham, elas procuram fazer o que pedimos (amar incondicionalmente). Ser gentil em casa, não importa quão ruim as coisas estejam. Ser gentis na estrada. Se são refugiadas.
Elas são estupradas pelos homens, que lhe roubam os filhos para transformá-los em soldados-crianças. E ainda assim elas procuram fazer o melhor que podem.

As mulheres são muito mais capazes em lidar com o amor. Você consegue imaginar isso em todas as esferas de poder?

Essa eterna insatisfação do sexo feminino – queixa do meu amigo – para mim, é o que impulsiona o avanço da humanidade. Eu absorvo outra teoria que pode soar ainda mais absurda: os homens reprimiram as mulheres durantes milênios, porque sabiam disso; por medo.

A maturação precoce da menina é notória desde criança. A mulher é perspicaz, inteligível e sensível. O sexto sentido feminino é a prova dessa conexão com o universo. Ela está mais estabelecida com o mundo; sabe melhor como gerí-lo; faz isso diariamente com o trabalho, pai, esposo, filho.

Outro gênio, Tom Zé, exaltou e reconheceu o Euclides da Cunha, o chamando de homem-mulher pela sua sensibilidade, e, atribui essa sua abertura, na qualidade amorosa da sua história de vida, não à toa.

O homem sabe dessa realidade. Talvez, por isso, em várias culturas elas são tão oprimidas e associadas à dissimulação e ao pecado, coitada da Capitu. São apedrejadas e julgadas em praça pública, são enclausuradas pelos fundamentalistas conservadores.

O homem se acomoda, a mulher não. Ela vibra, busca, briga e se angustia nesse processo. Ter nostalgia de algo nunca vivido pode ser almejar o mais alto grau do desejo da evolução.

A força braçal, como prioridade na evolução da espécie; A guerra e o ódio, como processo de formação dos estados; o medo, como mantenedor do modus operandis; devem ter sido os impulsionadores da hierarquização dos papeis e da grave situação do sistema vigente.

O amor será a libertação de tudo isso.

A multitarefa, inteligência e sensibilidade com o planeta, como prioridade no mundo moderno, dará às mulheres a liberdade de fazer o universo melhor. Que assim seja.

4 comentários:

  1. Ótimo texto!
    Será que essa sua visão pode ser a salvação de tudo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A salvação de tudo seria um exagero, contudo o problema de insensibilidade sistêmica seria bastante diminuído!

      Excluir
  2. Mano, quanta sensibilidade! Como mulher lhe digo: grata pela sutileza e homenagem. Muito amor para vc!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito amor pra nós! Eu quem agradeço por vocês existirem :)

      Obrigado mulheres :)

      Excluir