Qual a diferença entre ser radical e ser extremista?

É preciso salientar que as definições que apresento neste texto segue uma lógica oriunda da matemática, etimologia e até da arte. Não sendo, portanto, ainda, consenso por definição clássica.

O dicionário Michaelis define extremismo como:



Podemos observar que, a partir da perspectiva do senso comum, mais uma vez o dicionário está equivocado. Associar extremismo com radicalismo é um erro tremendo, e lhes direi porquê.

A definição de radicalismo, tanto no Michaelis, quanto na Wikipedia, segue um sem número de definições que em muito diverge do extremismo. Segundo o Dicionário Etimológico, a palavra da qual o radicalismo brota, radical, tem a seguinte origem:
Origem da palavra radical
Do latim radix, que significa “raiz”.Na realidade, na língua portuguesa a palavra “radical” se originou a partir do latim radicalis, que significa “relativo à raiz”. Porém, radicalis é uma derivação de radix, que quer dizer “raiz”.
O significado do termo latino tinha um sentido filosófico, que era atribuído ao fato de alguém ou algo “ter raízes”, ou seja, “ter origens”.
Este termo passou a significar “a essencial de algo” ou “ir de encontro à origem de algoa partir do século XVII.Como um sinal utilizado na matemática, a palavra radical só começou a ser usado por volta do final do século XVII
Observe na causa e efeito  “ir de encontro à origem de algo” →"sinal utilizado na matemática", ou seja, algum matemático percebeu a beleza e a sutileza do termo, de tal modo que virou um símbolo / sinal. Como assim?


Por exemplo, quando precisamos resolver uma equação do segundo grau de maneira clássica, obrigatoriamente utilizamos da raiz quadrada. E o que é resolver uma equação? É resolver um problema, encontrar as soluções deste problema. Ou, de forma poética, igualar a equação a zero seria tornar o problema nulo, sem valor, sem magnitude em sua imagem... em sua resposta :)

Para quem gosta da Teoria de Controle poderia ser o mesmo que manipular os pólos e zeros para atenuar uma perturbação, um problema.

Eis a grande diferença entre radicalismo e extremismo: o radical busca encontrar as raízes do problema, para arrumar métodos para zerá-lo, atenuá-lo, com inteligência. Para fazê-lo, é preciso entender a situação, o contexto, o campo, as variáveis do sistema, o sistema: estudar tudo, de forma profunda e sagaz. É nisto que está o pensamento, a atitude e a Cultura Hacker.

O extremista é violento. Geralmente a violência é burra, pois o "bater de frente" é sinal de não saber utilizar as peças do tabuleiro, de tal modo que muitas vezes o extremista atua cego pelo calor da emoção, e, só enxerga galhos na luta com estes. O radical é inteligente, perspicaz, frio, analista, procura uma visão sistêmica, utiliza o sistema contra o sistema, pois tem conhecimento para tal.

Enquanto o extremista explode uma bomba o radical muda uma vírgula e causa um efeito muito melhor. Utopia? talvez, mas retrata bem a ideia.

É possível que existam radicais extremistas? Infelizmente sim, porém o radicalismo parte do pressuposto que, como uma solução matemática precisa de elegância, as soluções para os problemas também.

Claro que nem sempre isto é possível, então, como último recurso, um radical pode precisar estar extremista, que utilize da violência ressignificada, diferente. Entretanto, entraríamos em outro tipo de debate, sobre os tipos de violência. Isso me faz lembrar o conceito do "violentamente pacífico" empregado pelo rastafari Leo.
"As pessoas não tem resistência à mudanças, as pessoas têm resistência em serem mudadas" (Peter Senge)
Então, sejamos radicais, buscando sempre atacar a raiz, com o mínimo de dissipação de potência, o máximo de profundidade, sabedoria e amor (com desapego).

2 comentários:

  1. A beleza da matemática e da etimologia num mesmo texto! Além de ótimas idéias...

    ResponderExcluir