Autoproteção Classista

Quanto ao caso da médica que matou o motociclista e sua irmã: (ver vídeo)

É impressionante e lastimável como o auto-protecionismo das elites impera. As elites se protegem. Mas como?

Dentro do discurso “imparcial” da delegada Acácia Nunes, que averigua o caso, é notória uma possível defesa em favor da médica, quando diz:
“A gente só conseguiu com UMA testemunha que será ouvida mais tarde, de que eles estavam em alta velocidade, e teriam furado um sinal mais adiante” (eles quem? O motociclista e sua irmã? Ou ambos, moto e carro?)
“Talvez, ela entrou em choque, perdeu o controle e bateu aqui como vocês estão vendo.”


Haveria a necessidade desta suposição? Uma vez que, todo o discurso se dava pela linha do “não temos provas suficientes pra afirmar nada”. Se não existem provas pra acusar, não deveria haver, por mais sutil que fosse; defesa ou atenuação do ocorrido, que, naquela altura, era somente suspeito.

Outra avaliação interessante se dá na testemunha que falava aos quatro cantos, inclusive pra reportagem, que sim: A médica perseguiu e matou os jovens. Onde a delegada estava que não considerou esta testemunha? A única testemunha considerável era quem declarava a alta velocidade e o furo do sinal? Estranho.

Não tratarei aqui da desumanização dos médicos, do sucateamento da polícia, nem tão pouco da problemática da violência no trânsito. O pior, pra mim, é essa postura complacente em que as classes assumem; principalmente as que têm maiores poderes e influência, como a classe dominante.

Isso não é corrupção, não é injustiça, é muito pior. Está no invisível, no inconsciente, na forma de lidar e se deparar com provas e fatos, na interpretação, na razão deturpada, na empatia inversa; no quebrar da corda sempre do lado mais fraco. É automático, sistemático, autossustentável, por isso, esta “Autoproteção Classista” é muito perigosa.

-------- Fontes --------

Discurso da delegada:

"A gente só conseguiu com uma testemunha que será ouvida mais tarde, de que eles estavam em alta velocidade, e teriam furado um sinal mais adiante, mais lá atrás. Mas a suspeita / a informação de que teria havido uma discussão de trânsito, assim, ainda não posso afirmar.

Não há marcas de frenagem, isso significa que do acidente pra cá a condutora do veículo, TALVEZ, ELA ENTROU EM CHOQUE, PERDEU O CONTROLE e BATEU AQUI como vocês estão vendo. Lá na frente também não há marcas de frenagem em relação a moto. A moto deve ter sido projetada, com algum impacto, um movimento qualquer. Mas não posso afirmar que ela tenha derrubado a moto de forma proposital."

Vídeo da reportagem com o discurso integral da delegada: http://g1.globo.com/videos/bahia/bahia-meio-dia/t/salvador/v/casal-de-irmaos-morre-em-batida-entre-carro-e-motocicleta-na-manha-desta-sexta/2881979/

PS: Já existem provas suficientes pra incriminar a médica, como vídeos de câmera de segurança dos arredores e outras testemunhas, o qual fez o discurso da delegada mudar drasticamente, por pressão das provas e das pessoas. O pior não acaba por aqui, ainda existe o advogado da assassina com argumentações medíocres, mas isso eu deixo pra uma outra indignação. Estamos fudidos com esses profissionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário